arquivo

culture

Todos os povos tem cultura porque trabalham, porque transformam o mundo e, ao transformá-lo, se transformam. A dança do povo é cultura. A música do povo é cultura, como cultura é também a forma como o povo cultiva a terra. Cultura é também a maneira que o povo tem de andar, de sorrir, de falar, de cantar enquanto trabalha. Cultura são os instrumentos que o povo usa para produzir. Cultura é a forma como o povo entende e expressa o seu mundo e como o povo se compreende nas suas relações com o seu mundo. Cultura é o tambor que soa pela noite adentro. Cultura é o ritmo do tambor. Cultura é a ginga dos corpos do povo ao ritmo dos tambores.

Paulo Freire (1921-1997)

Estou trabalhando a algum tempinho em um projeto gráfico para o Almanaque “Saberes do Maranhão”. O primeiro passo do processo de construção deste projeto veio a partir da demanda de um almanaque para Adultos, que estão são sendo alfabetizados por meio da pedagogia freiriana. Um tipo de pedagogia que respeita os saberes dos alunos, onde não existe professor e aluno, mas sim um processo de construção coletiva do conhecimento.

A idéia inicial era desenvolver dois projetos gráficos, um com destaque para o folclore da região e outro com destaque para a natureza. Houve então uma votação entre os educandos do projeto para decidirmos qual era linha a ser seguida. A opção que eles mais gostaram foi a das belezas naturais, mas para minha surpresa e alegria também,  mesmo este projeto veio cheio de sugestões que eu não saberia fazer sozinha,, mesmo tendo feito uma vasta pesquisa.

Abaixo está o novo estudo de desenho com as alterações sugeridas pelos educandos: babaçu, quebradeiras de coco, sabiá, pescador, dunas, viola, casas com telhados feitos com palha do babaçu, caranguejos, festa junina e o boi.

Estou aprendendo muito neste processo criativo compartilhado 🙂

Aqui está só o desenho, a capa pronta posto quando finalizar.

Será que a sorte virá num realejo?
Trazendo o pão da manhã
A faca e o queijo
Ou talvez… um beijo teu
Que me empreste a alegria… que me faça juntar
Todo resto do dia… meu café, meu jantar
Meu mundo inteiro…
que é tão fácil de enxergar… E chegar

Nenhum medo que possa enfrentar
Nem segredo que possa contar

Enquanto é tão cedo
Tão cedo

Enquanto for… um berço meu
Enquanto for… um terço meu
Serás vida… bem vinda
Serás viva… bem viva
Em mim

Será que a noite vira num vilarejo
vejo a ponte que levara o que desejo
admiro o que há de lindo e o que há de ser… você

Enquanto for… um berço meu
Enquanto for… um terço meu
Serás vida… bem vinda
Serás viva… bem viva
Em mim

[Realejo
Composição: Fernando Anitelli / Danilo Souza]

Estou fazendo uns estudos de ilustrações para a Capa do Almanaque “Saberes do Maranhão”.

Seguem alguns dos Estudos.

Projeto sendo desenvolvido para o IPF

http://www.paulofreire.org

Lendo um poema que um amigo me enviou em homenagem ao dia Internacional das Mulheres me inspirei para fazer este desenho.

Fica aqui minha homenagem a nós mulheres!

Abaixo o poema inspirador

MULHER MADURA

[Ivone Boechat]

Esse ar puro oxigenado de maturidade

me dá o aspecto de que já vi tudo na vida,

disposta a rever a própria vida.

Este sentimento de mulher humana

me dá o direito de viver feliz,

inspirando segurança,

como se já tivesse tudo o que quis.

Esse jeito felino ou de criança

me dá a certeza de ser forte como nunca,

agarrada nos braços da esperança.

Essa determinação de chegar faceira,

sem ter que explicar nada

nem dizer porque,

me dá a sensação

de estar no auge da vida,

a vida inteira.